A Torre Negra - "longos dias e belas noites"



Longos dias e belas noites sai.

Stephen King é o escritor de terror mais conhecido e aclamado atualmente. Seus livros conseguiram alcançar toda esta projeção não apenas pelas noites insones que causou nos leitores corajosos que se aventuraram por suas páginas, mas também pela escrita soberba, bem arquitetada, detalhista e personagens envolventes. É difícil ler um livro de King e não criar antipatia, ódio, pena, amor, ou qualquer outro sentimento com relação aos personagens. Há uma veracidade na psique dos personagens que a qualquer momento eles podem saltar das páginas e materializar-se na sua frente.

E dentro deste universo vasto de personagens criados pela mente de King, eventualmente um ou outro personagem, ou situação, que foi apresentado em algum livro do autor, acaba por aparecer em outro. É o caso, por exemplo, de Randall Flagg, que aparece primeiro na fantasia "Os Olhos do Dragão" e posteriormente no drama apocalíptico "A Dança da Morte". Sempre houve aquela dúvida nos fãs de que talvez, todos os livros de King fizessem parte do mesmo universo. O próprio autor suspeitava disso e teve certeza quando escreveu o livro Insônia. Mas, tudo ficou extremamente claro quando o autor concluiu sua magnus obra: A Torre Negra.

King começou a escrever A Torre Negra quando tinha 19 anos. Do primeiro volume, até o último da série, foram muitos anos o que fica evidente na diferença da  narrativa do primeiro livro, O Pistoleiro,  para os demais livros da série. Como dito pelo autor no prólogo do primeiro livro da série, o que inspirou o autor foram os livros de J. R. R. Tolkien, os filmes de faroeste e o poema "Childe Roland à Torre Negra Chegou", de Robert Browning.

De forma resumida – pois falaremos mais sobre isso nos próximos posts – A Torre Negra é aquilo que une todos os livros de King em um único projeto. Todos os personagens e lugares criados pelo autor, servem a Torre Negra.

A série possui oito livros, contos e Hqs contabilizando uma quantidade faraônica de páginas. Toda a mitologia criada pelo autor é de uma grandiosidade avassaladora. Além disso, King soube aproveitar muita coisa que fizeram antes dele para inseri-las em sua história. Mas, o que seria esta Torre Negra? Qual o mote do livro? Vale a pena investir na história? Neste post, o que posso responder é apenas a última pergunta: sim, vale muito a pena ser lido. Se não pelos motivos já citados, a série de no mínimo oito posts que farei sobre a Torre, deixará bem claro porque você, sendo fã de King ou não, deve ler esta preciosidade.

E, se ao final você não se sentir atraído a seguir o caminho do Feixe de Luz, devemos respeitar a vontade do Ka. Afinal, há outros mundos além deste.

Até a próxima.


EmoticonEmoticon